quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Sentimentos Avassaladores de Um Segundo Amor

Já faz um tempo que queria escrever sobre esses sentimentos incríveis, diferentes e maravilhosos que me preencheram durante os meses que Arthur chegou nos meus braços.

Durante minha segunda gravidez a sensação que tive era leve, foi tudo muito rápido e sem muita ansiedade. Não criei expectativas, não me encantei como foi com a primeira vez, cheguei até a chorar pensando se eu realmente amaria Arthur como Clara, pois era um sentimento estranho e calmo demais. Foi tudo diferente, até mesmo enjoos, sono, cansaço, choro, tristeza, risco de aborto no início, dores, tudo que não tive com Clara.

Mas como a gente só se torna mãe quando o bebê nasce, como a gente também nasce de novo na maternidade, aconteceu toda a mágica azul.
Foram dois domingos espetaculares em minha vida, o primeiro do dia 15 de junho de 2008, num dia de sol lindo que me trouxe Clara, e o outro numa noite agitada, tensa, dolorida e nervosa que me trouxe Arthur. Tudo mesmo diferente. Clara nasceu gritando horrores, um choro lindo e arrasador, me deram ela assim que saiu da barriga e ela parou de chorar no meu rosto, sentindo meu cheiro, foi perfeito! Não tive nenhum dor de pós parto, foi tudo realmente perfeito. Daí então, só desgrudei dela quando ela foi pra escola ano passado.
Arthur nasceu sem chorar, roxo e foi direto pra sala pediátrica. Ninguém me deu notícias dele enquanto eu chorava na sala de parto. Foi uma noite traumática. Mas no apartamento, quando eu vi entrar aquele bolinho branco de cabelos pretos com cara de homem velho ranzinza, vi o sorrisão do meu marido, minha sogra transpirando felicidade e minha linda filhota que era o amor em pessoa, meu mundo voltou ao normal, meus pés tocaram o chão. Quando me deram Arthur e olhei aqueles olhinhos novos brilhando pra mim, o amor floresceu, acordou e me sacudiu toda!!! Nasci de novo, de novo! Fui mãe novamente!!! O amor sorriu e disse "agora são dois amores incondicionais e eternos!" Foi a melhor sensação de novo em mnha vida, a felicidade chegou e disse "completei o time".
Meu time estava completo, minha vida se completou novamente. Aquele sentimento de medo de "vou amar igual?"foi por água abaixo, renasci pela segunda vez.




Mas com o passar das horas, outro sentimento novo me invadiu; uma culpa que doía o peito, me machucava e me fazia chorar. Como pode???
Toda vez que eu olhava pra Clara eu tinha vontade de chorar e de pegar ela no colo com uma culpa imensa, uma culpa que eu mesma criei inconscientemente. Era uma culpa por amar agora intensamente outro filho, como Clara se sentiria? Como poderia dividir meu tempo, meus carinhos, meus cuidados agora com outro? E ela?? Como ficaria??? E nossa cumplicidade tão intensa nesses 3 anos e meio??

Aqueles sentimentos esquisitos que só mãe tem mania de inventar. Era tudo criado por mim, pelos meus medos, minhas inseguranças pela novidade de um mundo novo, ela não tinha nada a ver com isso, pelo contrário, ela estava em êxtase com o irmão, beijava e queria cuidar toda hora. A primeira mamada foi ela e o pai que me ajudaram, foi ela que segurou Arthur antes de todo mundo, ela estava apaixonada por ele! E eu tinha feito ela ficar assim, eu pude deixá-la segura no lugar que sempre foi dela e agora eu estava me culpando? Eita fraqueza esquisita que dá...

Tentava de tudo para não demonstrar essa tristeza pra ela, até porque era só minha, ela estava ótima. Eu a queria por perto em todos os momentos, e ela esteve. Ela fez parte de tudo, das fraldas, dos banhos, dos sonos, das mamadas...Ela se sentia importante, sabia que ele veio só somar e nunca dividir. E aos poucos, essa segurança dela me curou, segurança que antes eu havia dado e agora estava tão fraca. Ela me ensinou que eu poderia confiar no meu amor, na minha maternidade.

E assim, nasci novamente, pela terceira vez, por causa dela. E eu me sinto incrível por ter dois amores tão intensos em minha vida, duas personalidades tao diferentes, tão cheia de novidades e fases opostas um do outro, por isso eles me completam, eles me renovam todos os dias, aprendo sempre!

Sem eles, sem essa louca montanha russa eu não seria a mesma, eu não teria um time. Eu nunca serei só, eu nunca serei única nem igual, eles simplesmente me renovam.



14 comentários:

Diário da mãe e da filha disse...

Ju, que post lindo! Estou com lágrimas nos olhos.

Esse é sentimento tão lindo, né? Como você disse duas pessoas com sentimentos diferentes, mas ambas amadas incondicionalmente

Beijos
Lilia

Valquíria disse...

E você nos renova sempre com suas maravilhosas experiências Ju, obrigada, muito obrigada pelo post presente, amei!!!!
Super beijo com carinho,
Val e Gui
Obs: Impossível não se emocionar com seu post, lindo, lindo!!!

Paula disse...

Jú que lindo!
me deu até vontade de escrever sobre este tema também no meu blog que anda tão abandonado.
e que foto linda da Clara lendo e o Arthur dentro do berço prestando atenção.

beijos

Priscila Sant'Anna: disse...

Querida Juliana Amaral Davim tu e a Maria Eugênia Bartz Ludwig nos presentearam com textos lindos e tão verdadeiros a respeito do nosso "segundo amor". A nossa cabeça vira em um turbilhão de pensamentos e questionamentos em nosso momento de espera, enquanto questionamos lá no fundo se conseguiremos amar de novo como na primeira vez. E como tu escreveu no post: "Mas como a gente só se torna mãe quando o bebê nasce, como a gente também nasce de novo na maternidade, aconteceu toda a mágica azul"..Lindo, lindo Jú!!!

Devaneios de Mulher disse...

Ju querida, parabéns pela coragem, pois escrever é viver todas essas emoções novamente!!!
Bem, o que posso acrescentar neste papo gostoso...
Dizer que sofri igualmente com as meninas, me senti culpada em tirar o posto de única filha e neta da Anna, você acredita?! Tinha medo de amar a Isa da mesma forma que amei e amo a Anna. E seu eu demonstrasse que gostava mais de um?! Tanta coisa se passou pela minha cabeça. Para a Anna não sentir tanto, dormi sozinha no hospital e pedi ao pai que ficasse com ela. Bobeira isso, assim que tiraram a Isa da minha barriga, fui inundada por aquele amor novamente, aquela coisa avassaladora que só quem passa pode saber. Aquele chorínho, aquela sensação, estou chorando novamente, e, queria muito chorar pela terceira vez, mas, acho que não vai rolar! kkkkk

Beijo Ju,

Parabéns!

Tati

Val disse...

Ju, que lindo!

Arthur eh uma delicia, que menininho fofo!

E eh engracado como a gente pode aprender tanto com eles ne? Tao pequenininhos...

Um beijo!

Patricia Charleaux disse...

Como é importante pra mães que como eu tem apenas um filho, ler esse seu relato, eu me sinto assim com medo de ter outro bebê , com medo de trair meu filho, de não poder mais cuidar dele, as vezes me pego pensando nisso, mas agora lendo o que vc disse, amiga me ajudou muito, penso também na importância que tem um irmão, nunca pensei em ter apenas um filho, mas o tempo foi passando , os problemas de família me fizeram adiar tantas coisas na minha vida e uma delas foi ter filhos, mas tenho fé de que ainda há tempo para realizar meu maior sonho ,ter mais um filho, dar um irmão para o João Vitor. Lindo relato, seus filhos são lindos e vc é uma mãe maravilhosa! Bjs

Nathália Martins disse...

Simplesmente LINDO, o post e os comentários também!!!
É sempre bom renascer, recomeçar... e esse AMOR cresce e cresce...
Que Deus a abençoe e dirija a sua caminhada com os amores da tua vida Ju!!!

Beijos,

Nathi

Giovanna Cresceu!!! disse...

Ai, ai, vc sempre me emocionando. Que mãe de dois nunca sentiu esses sentimentos? Eu não tive esse medo de não amar Alice como amava a Gi, mas até hj carrego um pouco de culpa por não estar mais tão disponível pra Gi como estava qdo ela era filha única. Mas tenho certeza que ela não consegue mais viver sem a irmã e que nossa família agora está perfeitamente completa.
Bjão.

Janna disse...

Só posso dizer que chorei... emocionante!

Babi disse...

Nossa Ju, como não se emocionar, como não se colocar no lugar...e pensar isso tudo tá acontecendo aqui tb! Esse mundo azul que invadiu minha vida e tornou a casa mais colorida se juntando ao rosa hehehe
Aqui tá assim quando penso que vou sair gritando e chorando por ai SURTANDO mesmo um sorriso ou os dois me desmorona...e eu me remonto tudo denovo....dificil de explicar.... tudo tão diferente mesmo desde a gestação...nascimento...desenvolvimento, personalidade....talvez o branco do olho seja igual kkkkkk bjs linda! ador vc! babi.... Bárbara Pata

Micheli Ribas disse...

Que lindo, Ju! Muito emocionante o seu relato! Você é muito abençoada por Deus por ter tido esses dois presentes, pode ter certeza!
Beijo grande.

Juliana disse...

Lindo, Ju!!!! Simplesmente lindo!! E só quem é mãe de dois entende...
Beijos!
Juliana Almeida
www.blogdabebel.com.br

Bebelina disse...

Poxa, que lindo! Muito emocionante o seu post e interessante como uma mulher reage com a chegada de outro filho, né? rs Seus filhos são lindos, benção de Deus.

Parabéns, papai do céu os abençoe.

Beijos.

-Cath e Bebelina-