sexta-feira, 8 de abril de 2011

Blogagem Coletiva -- Maternidade Real (Agora no dia certo! rs)

A Carol Passuelo convidou as mamães blogueiras para uma blogagem sobre a realidade da maternidade; eu como sou zé lesinha, postei antes, mas volto hoje, a data real. Como já fiz alguns posts sobre isso e gosto de tirar rótulos, vou fazer novamente.
Eu sou mãe que chora, que ri, que surta, que grita, que ama! E você?

Lembro um comentário que nunca saiu da minha cabeça; foi da Bia. Quando Clara tinha alguns meses, não lembro quantos, eu fiz um post falando que tinha perdido a paciência com Clara, de tanto que ela chorava e queria colo, sempre colo, e gritei com ela. Ela comentou algo do tipo "primeira mãe que vejo assumir que perde a paciência!". Ficou na minha cabeça aquilo e percebi que era difícil demais e ainda é, vê mães com bebês afirmando que perdem a paciência ou que eles dão trabalho. É sempre "é lindo ser mãe, eu amo acordar de noite, adoro o choro e etc..." Aí eu ficava arrasada, imaginando que eu era uma bruxa por sentir cansaço ou por querer morrer quando Clara chorava querendo meu colo o dia inteiro, sem me deixar tomar banho, comer, dormir... Chorava me imaginando uma mãe má. Mas aos poucos, percebi que a realidade é outra; todas as mães choram de cansaço, todas as mães gritam, todas perdem a paciência, mas engolem para entrarem no rótulo que a sociedade exige: Mãe perfeita e sorriente, aquelas das revistas.

Quando estava grávida, devorei livros, revistas, fóruns na internet tudo no mundo sobre maternidade, eu só respirava a maternidade. Lembro do que eu "aprendi" com essas pesquisas:
- Se você nao balançar o bebê ele dorme;
-Se você não comer feijão, ele não terá cólicas;
-Se você acostumar ele de tal jeito, será mais fácil;
-Se você colocar no berço depois de amamentar, ele vai se acostumar ...
Se você isso ou aquilo.. Depositando TODA a responsabilidade para a mãe. E a gente não imagina, não tem idéia dessa responsabilidade, ou então, não tem idéia de que ela pode e deve ser compartilhada com o pai da criança - que estão ausentes das revistas, em relação aos cuidados do bebê.
E a Clara TEVE cólicas porque ela e todos os bebês do mundo tem cólicas porque faz parte da fisiologia deles.acabam com 3 meses; não é só não balançara o bebê que ele dorme!!! Ele não é robô!

Quando Clara nasceu, minha vó e meus sogros ficaram com a gente aqui, e então pude aproveitar muito, mas muito bem os primeiros 2 meses da Clara. Ficávamos o dia inteiro grudadinhas, uma cheirando a outra. Foi lindo e perfeito. Mas quando eles foram embora... ... Fiquei sozinha com ela e o bicho pegou. Marido trabalhando o dia inteiro, as vezes fim de semana, e eu só. Para limpar casa, roupa, comida, louça e Clara. Esqueci de mim, aliás, não tive tempo de lembrar que eu existia. Estava exausta, cansada, chorava todos os dias, não tinha ânimo e passei por uma depressão interna. O choro de Clara era inocente, sem saber como eu precisava dormir, ou tomar um banho mais de 3 minutos. Ela chorava e eu chorava junto. Foi assim  durante 1 ano. Quando ela aprendeu a entender certas regrinhas, e eu aprendi a me fortalecer, deu tudo certo. Não sei como isso não influenciou no leite, graças a Deus tive muito leite para dar exclusivamente por 6 meses. Mas isso também é algo que não depende só da mulher, porém não escutamos isso na gravidez.

A amamentação é algo delicado e que depende de uma série de fatores. O médico é essencial para ensinar a mulher como ajudar com massagens, preparação de bico e o principal:  NENHUM BEBE NASCE SABENDO MAMAR NEM NENHUMA MULHER NASCE SABENDO AMAMENTAR.  É uma troca e as vezes demora, dói, mas as pessoas acham fácil e obrigam a você a amamentar sem treinar antes. Aí vem o nervosismo, o choro e mais problemas. Consegui amamentar Clara desde o primeiro dia, mas além da minha insisência, a equipe médica foi fantástica e ficou me ajudando e estimulando os seios. Passei alguns dias com o bico rachado, mas porque Clara não pegou o bico corretamente, depois foi tudo maravilha, a gente se entendeu. Mas se você, mãe, não conseguiu e as pessoas lhe criticam, danem-se também as pessoas! Mostre o quão saudável e esperto é seu filho, mesmo com outro leite.

Se você não faz o que esperam que você faça, lhe criticam. Se você faz o que lhe dizem, lhe criticam. Então minha amiga, manda todo mundo pra ponte que partiu e faça oque você achar que deve, filtrando dicas e formulando a sua própria bula, afinal, nenhum fliho vem com uma! Se fosse fácil, era só seguir esses livros de auto-ajuda e tudo ficaria cor de rosa!

Quando falei aqui que sou a favor das palmadinhas, sou sim. Existem filhos e filhos. Alguns precisam de uma disciplina mais rígida, uma palmadinha resolve. Outros um castigo simples, outros conversas apenas. Aqui posso contar nos dedos de uma mão as vezes que tive que dar umas palmadas na Clara, mas resolveram. Uso muito o castigo na cadeirinha de pensar e mutias conversas, mas tem horas que isso não resolve e não vou deixar passar porque ela "não entende"... entende sim.

Se você trabalha, te criticam, se você fica em casa, lhe criticam. Se você tem que trabalhar e deixa o filho com babá, lhe criticam, se você deixa com os avós, ou escola, lhe criticam. Então, imponha suas regras e sua autoridade pras pessoas, elas vão lhe respeitar. Antes dos conselhos que os mais velhos nos dão, tinham outros antes e outros e outros...então, qual é o correto? O seu! Você conhece seu filho mais do que ninguém!

Quando me perguntavam oque eu fazia e eu respondia que era mãe, ficava um vazio no ar...como se eu fosse APENAS mãe e como se qualquer mulher fosse mãe de verdade. Apesar de fazer faculdade, as pessoas querem títulos, diplomas e cargos, elas gostam de saber da sua vida pelo simples prazer de se sentirem melhor que você. Só por isso. Não é para a felicidade deles. A não ser família, aliás, as vezes a família é quem mais te apunhala. Quando me perguntam hoje e esse vazio existe ainda, preencho com cada detalhe de Clara que me orgulha em tê-la como filha! Se você quer dar doces, andador, chupeta, se você quer dormir com seu filho na cama, relaxe e aproveite, você dita as regras na sua casa. Então, vamos ser mães fortes e respeitadas, os outros tem que nos respeitar sim, independente da idade! Nós somos a base da família, nós seguramos a casa, nós damos as regras. Enfim, deixemos os rótulos de lado e aproveitemos melhor a vida!

11 comentários:

Misturação - Ana Karla disse...

Aplausos!
Ju, você está de parabéns com esse texto.
Não conheci até hoje alguém que pudesse falar assim como você.
Coloquei regrinhas logo nos primeiros meses de meus filhos, mas se fosse hoje mudaria alguns, como por exemplo, curtir o bebezinho no colo por mais tempo. Eu sempre os deixava no carrinho, no berço, no lençolzinho no chão, para que eles não se acostumassem e eu não pudesse fazer nada.
Passou tão rápido!

Xeros

Maikely disse...

AMEI O POST! Éassim que estou me sentindo... é tão dificil no inicio, principalmente quando esperam muito da gente, sendo que estamos iniciando na fasa maternal sem nenhum manual. Eu agora estou seguindo meu instinto e estou dando as ordens aqui " é do meu jeito".

Ivana (Coisa de mãe) disse...

Ju, o problema é que as pessoas só julgam as outras, para o bem, ou para o mal, e esquecem que cada um tem a sua realidade, cada um traz consigo a sua herança emocional, os seus princípios. E não adianta querer impor, o que só aumenta o stress e o cansaço! A gente tem é que seguir o nosso coração, o nosso instinto, ainda que as nossas ações, para os outros, sejam equivocadas.

Vou tentar escrever alguma coisa para a blogagem!

Bjocas!

Ivana

Micheli disse...

Adorei o texto, Ju!
Vou tentar participar da blogagem.
Cada um tem sua experiência e as crianças não nascem com manuais. Nem tudo o que se lê dá certo na prática, aliás, muita coisa é vaga.
E que a maternidade cansa, cansa mesmo! Tem horas que todas nós chora ou tem vontade de chorar. Isso é ser humana.
Beijos.

Mãe Mochileira, Filho Malinha.. disse...

Oi,vi vc no facebook e vim aqui conhecer teu espaço! ;-)
Otimo post...ser mãe é mais que isso,a gente aprende no dia a dia,cada filho é de um jeito..não existe receita de bolo...vc falou tudo,as vezes a gente acerta,outras tantas erra, se culpa,se irrita,se culpa de novo..rsrsr...e sempre vai ter alguem de fora para julgar! Ser mãe é passar por tudo isso,mas ainda assim é maravilhoso!!!
Adorei teu blog.Beijos!

♥ Viviαŋє ♥ disse...

Que blog mais fofo! Estava visitando alguns blogs e cheguei até aqui.Adorei tudo. Já estou seguindo para conferir os próximos posts. Eu sou mamãe
de um menino de 1 ano e 4 meses. Visite meu blog e conheça a loja Kids e Cia. Se gostar do meu blog siga também. Até breve! Obrigada!

http://www.vivianeborges.com/

Sílvia Renata disse...

Simplesmente amei... Corretissima em tudo!
Sabe, ainda essa semana eu acabei discutindo com uma pessoa por causa disso, pois, ela me criticou por praticar a cama compartilhada... eu pratico sim e pra mim tem sido mil maravilhas, pois nao ando mais como um panda e tenho dormido mto melhor... minha vida simplesmente mudou mto pra melhor... mas para ela é o total absurdo... lembro que fechei a discussão dizendo exatamente o que vc disse, que nao ha manual de instruções para criação dos filhos e nao ha regras que valham para todos, cada um segue seu instinto e ponto.
Adorei mesmo o post...
Bjs

Mamãe do Matheus disse...

Oi Jú!!
bahh...que post amiga!!
Tem muitas coisas que vc citou aqui que eu tinha vontade de falar.Você mais do que ninguem tem acompanhado de perto o que eu tenho passado.
Minha amiga,o pior realmente não é os outros nos criticarem e sim a nossa familia!E isso acontece muito comigo.
Tá aí acho que vou participar atrasada dessa blogagem coletiva.Será que posso?!
Vc está certa quando disse que na nossa casa é a gente que dita as regras.E os outros não tem nada a ver com isso.
É um peso muito grande que vem sobre o papel de mãe se algo na vida dos filhos não dá certo.A sociedade faz com que isso nos faça sentir culpadas.E isso não é certo!Por isso vamos blogar e falar o que sentimos.Porque entre nós muitas das histórias que lemos na blogesfera servem de muito apoio e ajuda.
Um grande beijo Jú e um lindo final de semana para vcs!
Danny e Matheus

Juliana disse...

Querida, concordo muito com você!!! A maternidade é a tarefa mais difícil do mundo!
E TODA mãe se cansa, se irrita, grita, chora e se descabela! Mas, meia hora depois, abraça, beija e idolatra aquele serzinho que é mais que nós mesmas!
Mas, poucas mães admitem o quanto a maternidade é difícil, infelizmente!
Parabéns pelo post! Tá emocionante!!!
Bjos!
Juliana Almeida
www.blogdabebel.com.br

Ana do Chá e Viagens disse...

Adorei o post!

O que está no papel na prática é bemmm diferente, lí, devorei na verdade, livros e todas as possíveis dicas de como criar um filho, mas foi, alias, a cada dia uma nova e difícil etapa!

Parabéns pela sinceridade nas palavras,
Abraços Ana.

Fabiana disse...

Ola querida,
Conheci vc no Face book no Mamães Blogueiras, e já estou seguindo seu blog, me faz uma visitinha e me segue também.
Bj
http://vidaazulerosa.blogspot.com/