terça-feira, 18 de maio de 2010

Lei Contra a Palmadinha

ihh...
Lá vem Juliana e seus posts que chacoalham o mundo blogueiro..rsrsrs..Mas é até bom dar uma chacoalhada as vezes né?

Mil opiniões vão surgir aqui, cada uma mais diferente e pessoal do que a outra, mas o fato é que, todas aqui são mães e querem o bem pros seus filhos.

Assisti hoje ao Jornal Hoje e vi a matéria sobre a lei que está no congresso para ser aprovada, que é contra a qualquer tipo de punição física numa criança, mesmo sendo moderada. Essa lei quer tirar do ar até a famosa "palmadinha educativa".

O fato é que...
Será que mais uma lei nesse país cheio delas e de burocracias juntametne com hipocrisias, fará efeito nos pais que punem seus filhos dentro de  casa? Será que uma lei terá forças para redimir um ato desse porte? Acho que não. Não existe uma fiscalização pra isso!
Oque pra mim é necessário, é educar os pais. Conscientizar de que maior do que conversas e principalmente do que agressões físicas e morais está o exemplo! O filho que vê em casa o pai bater na mãe, no irmão e etc, jamais terá uma infância calma e tranquila, jamais passará tranquilidade e respeito para seus filhos e cria-se um vício educativo vitalício.
Espancamentos, agressões físicas ou morais são uma forma de terrorismo; criança é criança e deve-se respeitar o fato de que eles tem que aprender com os pais a disciplina e o respeito ao próximo; mas como respeitar agredindo??

Agora vou falar da tal palmadinha educativa, aquela qeu 90% das mães aqui, inclusive eu, sabem do que estou falando.
Na reportagem foi mostrada duas famílias. Uma com a mãe e o filho agitado e desobediente e a outra com a mãe e o filho educado e super hiper obediente. Gente...existem filhos e filhos. Aquela coisa de que conversa e mais conversa torna uma pessoa tranquila tem ssuas verdades e suas objeções. Uma mãe que tem 6 filhos por exemplo. É uma mãe só, mas os filhos são completamente diferentes, uns mais obedientes que os outros, alguns mais tranquilos e outros pelo avesso. Isso é comum e verídico. A educação é a mesma porém a forma de educar todos é diferente por se tratar de pessoas diferentes! Não existe ninguém igual. Se um uma siomples conversa resolve, pro outro mil conversas e castigos são suficientes e pra outros nem mil conversas nem mil castigos e as vezes nem algumas palmadas. Então punir os pais, chamar de agressores por tentar de todas as formas do mundo e de toda a paciência do mundo educar um filho e não conseguir, é justo? É justo comparar um mãe louca desesperada que deu algumas palmadas num  filho com uma personalidade difícil a uma mãe que espanca um filho que não fez nada de errado? Existem situações e situações.
Clara só aprendeu que não deve bater na minha cara depois que eu dei um tapinha na bunda dela na frente de todo mundo. Foi um dos piores dias da minha vida. Ela já havia feito isso várias vezes, nunca tinha apanhado; fez na fila do banco e eu respirei fundo e fui embora com ela; fez em casa e dei uns tapinhas na mão e conversei...fez de novo e eu coloquei de castigo..fez na frente de todo mundo e eu dei um tapa e ela ficou com vergonha e soube do tamanho do erro e nunca mais se atreveu a fazer.
Me desculpem mas não tenho sangue frio pra isso, não ia passar o resto da vida levando tapa na cara de uma filha a quem só dou amor e carinho, por achar que um tapa vá traumatizá-la pro resto da vida.
Clarinha é um doce, meiga demais, carinhosa ao extremo, um grude comigo. Mas quando ela acha que está certa ou que quer alguma coisa, ela não mede esforços nem pensa nos limites nem consequencias, muito menos lembra dos castigos, ela age e age bravamente. E se eu não tiver forças pra brecar, pra dar os limites necessários, ela vai criar mais forças e um dia vai se tornar uma criança insuportável e chata. E eu não quero isso, vou fazer o meu papel de educadora e mãe.
Primeiro eu converso, falo sério e muito firme. Faço isso algumas vezes antes de colocar de castigo. Castigo é quando não há mais solução e as 3(se muito) palmadinhas que já dei nela foram o limite necessa´rio que tive que colocar pra que a coisa não saísse do controle totalemente, mas concordo que não é a medida mais correta nem a primordial a ser utilizada pelos pais. Educar é dar exemplo.

Educação é coisa séria e realmente precisa ser repensada hoje em dia. O fato é que muitos pais são ausentes e acham mais fácil transferir a educação básica pra escola, coisa super errada. Não éa escola quem educa nem que ensina o respeito; ela apenas deve dar continuidade a tudo isso que vem de casa. Os pais são os primeiros educadores de uma criança.
A gente é o espelho que os nossos filhos refletem em nossa ausência.

Agora deixem seus recadinhos...estou ansiosa! É um assunto que exige muitas opiniões e mudanças.

26 comentários:

Ale Ribeiro disse...

hahaha Esses seus posts rs
Olha, eu nao sou mãe, mais acho que tudo é aceitavel dentro dos limites, uma palmadinha como vc mesma disse nao vai traumatizar uma criança, e ajuda sim na educação, mais espancar, bater de cinta, chinelo, deixar roxo e tudo mais já é demais...
Um BeijO

Marcella disse...

Ju... acho que cada criança é um caso e cada situaçao pede uma atitude diferente tb... como vc disse as vezes uma palmada mais ensina que machuca.. e é isso que as maes devem pesar.. mas o problema da lei é que qualquer coisa que a mae fizer pod ser que os jovem ate entrem com processo... é meio complicado!
Mas sou completamente a favor do que vc disse.. tudo sem exagero faz bem..
Bjo!

Deisiinha disse...

ai aimga, com certeza é um assunto polemico,
mais quem nunca deu umas palmadinhas d eleve nos bumbuns de nossos bbs né???
eu já dei na Clara, mais confesso q faz tmepo q não preciso fazê-lo.Ela tá aprendendo a ter mais limites, amsi sei q ainda vou fazer isso e muito

amiga... visita meu blog...se torne minha seguidora e concorra a varios brindes..vai la
bjin

Ana Paula disse...

Oi.. .concordo plenamente, adorei seu post!
Os pais são os primeiros e maiores educadores dos filhos... e exemplo é tudooooooo!! Até escrevi sobre isto hoje no meu blog!
Bjosssssss

Micheli disse...

Eu sou contra resolver tudo no tapa. Até porque dependendo da rebeldia os pais acabam tendo de bater cada vez mais forte para se ter um resultado, e aí eu vejo que mora o problema. Evito, ao máximo, bater na Clara. Se eu pudesse, não bateria nunca. Ela é como a sua, alegre, carinhosa, um doce. Mas tem seus momentos de querer e pronto, de se recusar a obedecer, tb já me deu tapas na cara sem nunca ter apanhado, se joga no chão e se bate toda, se recusa a trocar a fralda, e por aí vai. Acho que o tapinha tem de ser sempre o último recurso. Mas já foi necessário e acredito que pode vir a ser de novo - sem exageros e por amor a ela. Dói mais em mim do que nela. Nessa idade na hora da birra ela não pára para ouvir bronca, não; segue gritando, esperneando. Ainda assim, como eu falei, raramente uso o tapinha, mas tem momentos que julguei necessário, sim. Poucos, mas teve. E não me arrependo, porque não acho que foi porque ela "me tirou do sério", não, foi porque não havia jeito de fazê-la entender que estava errada. Não respondia a nenhum outro recurso. Agora, eu nunca espacaria a minha filha, nem faria do tapinha algo certo para resolver qualquer parada, não mesmo. Agora imagine se os pais forem presos por tentar educar seus filhos, o que esses filhos mais "difíceis" (sim, pq tem crianças com gênio bem mais tranquilo e que falar apenas basta) irão se tornar sem limites? Apanhar sempre pode torná-los mais violentos, sim, agora não brecar suas vontades pode fazer deles adultos infelizes, frustrados e que acham que podem qualquer coisa no mundo. Acho exagero por parte da lei, acho que os governantes deveriam é ensinar os pais, conscientizá-los de como agir melhor na educação dos filhos.
Tornando a coisa ainda mais polêmica: a própria Bílbia, na palavra de Deus, fala que não se deve ter medo de educar a criança com a vara, pelo próprio bem dela (está em Provérbios).
Essa discussão vai longe, amiga!
Um beijo e até mais!

Dri Eidt disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dri Eidt disse...

Adorei o post... Assim paramos um pouco para pensar no assunto.Ja sofri muito com essas palmadinhas quando era criança, agradeço a educação que tive.. Mais muitas das palmadinhas que levei foram contraditoria, não precisava e eu ja adulta ainda me lembro com muita tristeza... Bom é assunto polemicoooo.
Ai entra a frase: "Cada cabeça,sua sentença!"
Obrigada pela visita.

Beijinhos linda.

Dora disse...

Ju eu sou a favor da palmadinha, lógico q nada de peias severas q marquem ou humilhem a criança, mas na minha cabeça 'retrograda' mãe q não bate no filho, pode vir apanhar dele algum dia. Saber a hora e a maneira acho positivo uma palmadinha sim.

Rebeca disse...

Olá Juliana!
A "ficha limpa" não vai colar, mas a lei contra a "violência" vai né?
Levei muitas palmadas quando criança e não me revoltei nem me traumatizei. Acho que algumas palmadas na infância são necessárias e ajudam a formar o caráter. Não estou falando de bater com fios de luz, com cintos e chicotes. Violência é uma coisa, disciplina é outra. Educar não é violentar.
Como vc falou, pra acabar com casos como o da procuradora, é preciso antes educar os pais, os adultos.

Beijos

Motivo Para Sorrir disse...

Eu concordo com você em gênero, número e grau! E quanto a personalidade a Sara é igual a Clarinha, mas pelo que tenho visto por aí esta idade eles são assim mesmo, doces, mas quando querem algo, sai da frente. Eu também apanhei muito quando criança , eu e minha irmã e olhe que sempre fui mais comportada rsrsrsrs, não me tornei agressiva nem revoltada, mas não gosto de lembrar daqueles chicotes, varas, nemmmmmm, não vou bater assim na Sara não, mas se necessário umas palmadas de vez em quando vou dar sim.
Beijos

Ana Paula disse...

Obrigada flor pela visitinha e pelo comentário! Adorei, volte sempre viu!
Bjosssss

Adriana disse...

Ah Ju, mais uma vez eu concordo plenamente com vc. A Giu tem a personalidade muito parecida com a da Clara. É um doce, meiga, obediente, ma quando se "ira" é difícil de frear, pode cnversar, colocar de castigo que nada adianta. aí dá uma palmadinha no bumbum que o mundo para. Vem aquele choro sentido e logo volta a ser doce e obediente. Sei que muitas maes se escandalizam com isso, acham cruel, desumano e devem até pensar em nos denunciar para o conselho tutelar. Mas eu JAMAIS estaria fazendo uma apologia a violência. Meu irmão apanhava de vara, de cinta, lembro uma vez que ele levou uma tunda da minha mãe que ele chegou a perder o fôlego. Isso sim, eu acho covardia, crueldade e JAMAIS faira isso com a minha filha, ou deixaria que meu marido fizesse.

Ai amiga, esse assunto é muito muito extenso. Juju e eu somos muito amigas, eu converso tanto com ela, ela na grande maioria das vezes me obedece, sei muito bem como estou formando a personalidade dela, sei o que estou criando para o futuro dela e não me intimido com ninguém colocando o dedo na cara e me julgando. Sabe o que eu sinto?? gente como a gente não julga....agora eu vejo muitas "mães" que tem uma babá pro dia e pra noite, que mal sabe o que é realmente educar um filho e que se escandalizam com as palmadas.
Deixar os filhos para os outros educarem e julgar quem relamente educa é muito fácil.

Por fim, quando a lei que está sendo criada, acho que eles deveriam realmente se preocupar com as crianças que dormem nas ruas, que pedem esmola, que n]ao tem casa, que se drogam, que procuram uma família.......aqui no RS chegou a épica do frio. Vc faz idéia do que é andar no centro de Porto Alegre, as vezes com temperaturas beirando o zero graus e ver deitado nas calçadas uma criança um pouco maior do que a minha enrolada em uma camiseta poída???? enquanto isso eles vão se preocupando com a minha e a sua filha, que tem educação, comida, roupinha quente, uma caminha pra dormir e que de vez em quando ganham umas palmadinhas no bumbum.

vai entender......

Priscila Sant'Anna disse...

Ju!!!
Muito boa essa oportunidade de debate sobre a palmada... Dias atrás escrevi um artigo no Mammys Blogs sobre isso, depois passa lá pra tu leres.
Eu sou contra bater, acho que a gente consegue educar de outra forma, mas também que a palmada não é violência, não.
Eu ganhei palmadinhas quando era pequena..não me fez mal..
Hoje penso um pouco diferente.
Confesso que nunca dei uma palmada sequer na Bia. Isso é a pura verdade. Sempre consegui resolver o problema sem que tivesse que apelar para a palmada, talvez pq a Bia seja uma menina mais calma e maleável. Consigo resolver as birras falando com ela, ficando brava, ou abrindo uma outra opção para que ela esqueça o pity...enfim...
Mas acho que uma leia que proíbe a palmada não tem nada a ver...é uma via meio contraditória.

Bem, mas mudando de assunto, obrigadão pelo recadinho de parabéns para a Bia. Adoramos.
Obrigadão pelo carinho de sempre.
Beijão
Pri e Bia:)

Fernanda disse...

Ai, amiga, tanta coisa errada nesse país e querem criar uma lei dessa?
Eu concordo com tudo que vc escreveu.
A Gi nunca levou palmada, apesar de eu já ter tido vontade...rs.
Bjão.
Nanda
http://sonhorealizado.wordpress.com

"ZZ" disse...

Dependendo do erro da criança uma palmada de leve não vai traumatiza-la, é necessário educar os filhos da forma que a mãe achar conveniente e o filho nunca deixará de amar a mãe se ele for bem eucado, não importa a frma.
Deixar o filho bater nos pais e não mostra-lo de alguma forma que é errado pode gerar um problema muito grande num futuro próximo quando ele pensar qemanda em tudo e em todos.

Beijos
ZZ e Lis

Pati disse...

Esse assunto só é polêmico se fizerem exatamente o que estão fazendo. Tenho 35 anos, formação superior, sou cristã e tenho 2 filhos menores de 10 anos. Tomei as palmadinhas quando criança juntamente com minhas outras 2 irmãs...não somos revoltadas nem sofremos nenhum transtorno emocional por isso, pelo contrário, sou grata hoje aos meus pais pela educação que me deram. Sou muito bem casada, não temos vícios e meus filhos seguem como nós os padrões cristãos relacionados a educação pedagógica...e sou sincera em dizer que se faz necessária as palmadas de vez em quando...parece que eles pedem esse cuidado...parece de que alguma forma eles sugerem que necessitam ser educados...é interessante que quando chego a este ponto crucial (última alternativa a ser adotada) depois de longa conversa...eles tomam a palmadinha...choram é claro e depois nos beijam e dizem: te amo!!!! Quem ama, educa. É bíblico, assim como é bíblico o pastor usar sua vara para corrigir suas ovelhas...não devemos espancar, deixar marcar...mas corrigir se faz necessário!!!!

Patrícia, mãe, pedagoga e educadora

Francisco Amado disse...

Existe uma coisa muito mais seria e extremamente grave nisso tudo, que não foi debatido.
E o estado pouco a pouco decidindo se você pode ou não fumar, como e de que maneira você deve educar seu filho.
Isto é grave.Pense Nisso.

Motivo Para Sorrir disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Motivo Para Sorrir disse...

Oii, tenho uma indicação de um filme que você vai gostar, ainda mais que têm uma Clarinha linda nele rsrsrsrs.
Beijos

Márcia disse...

oie. ta boa?~
ih menina ontem mesmo dei dois tapinhas na mão do Tiago porque ele rasgou um livro do pai que até estalou...Fiquei com o coração chorando de dor, mas resisti em não ir pedir desculpas e fazer carinho. Ele chorou e eu sei que deve ter doido mesmo. Claro que fiquei com remorsos, mas infelizmente foi tão automatico que nem pensei duas vezes quando depois de 379876 vezes para que ele não mexesse nas capas ele vai la e rasga, ja viu ne?
Ainda não tenho opiniao formada a 100% sobre isso. Sei que não deveríamos ensinar que bater as vezes resolve, e que deveriamos mostrar com palavras e tal, mas tambem como dizem não sou uma revoltada e saio dando porrada em ninguem por ter apanhado algumas vezes de pequena.rssrs
Adorei o post!
beijo grande. to nos preparos da festa do Tiago amanha.

Mosaico Cultural disse...

Seu texto ficou muito bom.

Fizemos um post no nosso blog e colocamos o seu texto como referência. Veja lá:

http://mosaicultural.blogspot.com

Geovana disse...

oi flor nossa que post grande hein hehehe....
bom concordo contigo, acho que algumas palmadinhas nao vao faze mal a ninguem, nossa inventam cada uma, é por isso que o mundo hoje ta perdido, os pais ficam só no dialogo e as crianças fazem o que querem, eu só a favor de dar uns laços de vez enquanto e um castigo tambem é bom...sao teimosos,mulinhas hehehe...
eu tomava cada tunda e to aqui, não morri e nem nada...entao fica a deija hehehe.

bjs na fofa!

Dri disse...

Oi Ju! Como sempre seus textos nos fazem refletir...
Como proibir é mais fácil do que ensinar e educar, o poder legislativo resolveu proibir os pais de corrigirim fisicamente seus filhos ao invés de orientá-los sobre esse processo. Somos testemunhas de uma geração que não disciplinou seus filhos da forma adequada o que tem gerado muita infelicidade, procura desenfreada pelo prazer levando muitos até à morte. Acredito que pais que amam se dedicam à seus filhos e os criam de acordo com as orientações da bíblia (palavra de Deus).
"discipline seu filho, e este lhe dará paz, trará grande prazer a sua alma" Provérbios 29.17
Assim estamos educando o Caio e o Kevin e Deus tem nos ajudado nessa caminhada.
Beijinhos, que Deus também lhe auxilie na educação da Clarinha e com certeza ela será uma mulher de bem!

Art disse...

oi gente essa é minha primeira vez!!!
eu estou desesperada pois meu filhinho de 5 anos está cada vez mais sapeca e (não quero e não gosto) de dar palmadinha mas as vezes é necessário mas depois fico muito frustrada pq acho q perco o controle.Fiquei um pouco tranquila lendo os posts de vcs.um bjo e com certeza vou assar aqui sempre.
Ana Lucia/ Recife

Eder Juno disse...

Você disse que as personalidades são diferentes, que existem crianças maiseducadas e outras menos educadas. Mas como se forma a personalidade de uma criança\ Não é culpa dos pais a criança ter se tornado um criança agitada\ E bater resolve o problema da criança ou apenas diminui o problema do pai\ E quem mandou a mãe ter 6 filhos se ela não da conta nem de um\ ela vai descontar na criança - a criança é uma pessoa, poderia ser você!

luis carlos anjos disse...

eu sou contra da palmada em filhos poi so traz violencia tem que ter dialgo com os filhos , pois vc nao gosta de apanher porque bater. bater em filhos so traz violecia tem que da educação e ter dialgo com os mesmos..