segunda-feira, 20 de julho de 2009

Texto: "A Primeira Ida à Creche"


Passeando nesse mundo imenso internáutico, lógico que parei em sites infantis. Nesse site, encontrei muitos textos legais e um deles é esse, sobre a primeira vez na creche. Ainda está um pouco longe, já que a Clara irá no próximo ano, mas já tenho que me preparar psicologicamente..rsrsrsrsrs


O texto:

" O “dia da separação”: A Primeira Ida à Creche
Mamães de primeira viagem talvez não imaginam como fica seu coração depois de deixar seu filho pela primeira em uma creche. Mas não tem outro jeito. A licença-maternidade acaba e um sentimento ímpar de tristeza vem acompanhado de incertezas. Como vou deixar meu bebê tão pequenino numa escolinha?
Colocar o filho na creche tão prematuramente pode parece um retrocesso na cabeça das mamães, mas se a escolha da escolinha for bem feita, um lugar em que a mamãe sinta-se segura para deixar seu filho enquanto trabalha, o local poderá ser um espaço de grande desenvolvimento para criança e aprendizado para a mamãe. Já pensou nisso?
A inserção da criança na creche é um dos momentos muito importantes na vida da criança e da mamãe. É a primeira separação real dos dois, marcando a sua entrada no mundo social. Claro que isso não pode acontecer de forma brusca.
Mas a creche pode ser benéfica principalmente às crianças paparicadas demasiadamente pelos pais. É lá que se dá a iniciação da autonomia da criança. E isso assusta principalmente a mamãe que vê seu filho como um bebezinho incapaz de crescer sozinho, o que infelizmente é comum de ocorrer.
Creche x mimo - Aos poucos a mamãe verá ações importantes que a criança levará para toda a vida, como a convivência social, começando o processo de amizade, de divisão e colaboração mútua, desenvolvimento da linguagem e de conhecimento do mundo. Brincadeiras entre crianças, normais em creches, contribuem para acelerar o processo de socialização.
Muitas crianças pulam a fase de creche e entram no colégio por volta dos 3 ou 4 anos, quando já absorveram lições boas, mas também más dos pais. A criança mimada pode se achar a “dona do mundo” diante de tanto paparico, dificultando no contato com os demais colegas.
Mãe segura - A segurança da mamãe nesse “ritual de passagem” do convívio familiar para o social do seu filho será fundamental. A mamãe segura consegue passar tranqüilidade ao filho quando diz que no fim da tarde virá buscá-lo. A criança verá que isso acontece todos os dias e que a mamãe não vai abandoná-lo.
Muitas vezes isso não é tão fácil, mas a mamãe não pode estremecer. A criança pequena que ainda não consegue se expressar muito bem verbalmente pode transmitir esse sentimento de separação através do corpo com choro, recusa de alimento ou mesmo ficar doente, isso é normal. Os pais devem favorecer o conhecimento do novo ambiente através da sua presença e mediação com os professores.
A ligação entre a criança e o professor é muito importante e os pais devem facilitar esse contato. A figura materna jamais será batida, mas é necessário que haja também uma relação social em que se constitua um vínculo no qual a criança tenha confiança para se desenvolver.
Super vovó - A liberdade da mulher nos tempos de hoje e a preocupação cada vez maior com o bem estar financeiro da família também traz consigo inseguranças em relação à educação dos filhos.
As vovós entram na história para não ser apenas coadjuvantes no cuidado dos pequenos. Porém, muitas vovós também estão trabalhando ou não estão perto para essa “grandiosa” ajuda. A resolução muitas vezes é a inserção da criança na creche, mesmo ela não tendo completado um ano de vida.


Dicas
Dizer a verdade é sempre importante. Não deixe a criança na creche dizendo que vai ao banheiro e já volta. No dia seguinte seu filho não acreditará em você.
Antes de matricular seu filho na creche, conheça várias e assim decida qual te deixou mais segura para o desenvolvimento do seu filho.
A imunidade da criança pequena ainda não é total. Se as doenças na creche forem muito freqüentes acarretando perda de peso, é melhor deixá-la em casa."

5 comentários:

Despertar de Sensações disse...

espero q encontre um bom lugarzinho p deixar a clara!afinal, serah a 2 casa ne?
meus filhos comecaram a ir c 1 ano e 2 m, o mais novo entrou com 11 meses...=) c o bb q n sei ainda o q farei..rs
boa sorte!

Bella Melo disse...

Rsrsr! pois é, nem eu sabia o porquê da daa, aí fui pesquisar, hihi adoro isso, quando estou com dúvida é só ir no google, mas odeio quando ão encontro nada ¬¬' aff!

Eu não fui pra creche
na verdade já fui pra escolinha com 5 anos, e já sabia ler (mãe professora, fazer o quê?)aí queriam me passar pra 1ª série, mas eu abri o berreiro e minha mãe disse que eu não era super-dotada e sim trabalhada :S, e que não era bom eu pular etapas, aí virei meio que a ajudante da professora hehe, me socializei muito rápido, até porque eu tinha muitos primos e já tinha coleguinhas, mesmo não indo à escola, o díficil foi no final do ano deixar todos meus colegas de PE e voltar para Belém =/, aí tive que de novo, fazer amigos, mas foi rápido, tagarela como sou, não tive mais problemas hehehe.

camilinha disse...

Oi juuu...ai amiga e o Mateus que foi pra creche com 4 meses, quando acabou a minha licença, e até hj ele vai, tinha dias que ele nem embora queria ir...ai que aberto no meu coração...mas foi bom pra ele...mas que da um aperto aaa isso dá

bjussss...coitada das tias da escolinha com a Clara, ainda mais se tiver gavetas lá...rsrsrsrs...bjussss

Adriana disse...

ai ai...a primeira ida a creche é cruel cruel. A Giulia como tinha 5 meses não estranhou muito...mas eu!! ah, como eu chorei!!!!!!! e tem dias que ainda choro :(

A dica é importante, desde o primeiro dia que eu deixei a Giulia lá, eu explico que mamae e papai estão indo trabalhar...e se prometo alguma coida para a volta, tipo um presente, ou olharmos a xuxa juntas...sempre cumpro! hehehehe


Ah, uma dica minha...mesmo que ainda vá demorar, já vai dando uma olhada nas escolinhas por aí, conversando com as maes etc, se deixar pra perto vc fica perdidinha!!

bj

Helga - Mamãe da Manu disse...

Uhn como mãenóica prefiro nem pensar...se eu sofri em deixa-la com minha mãe, tendo certeza de ser bem cuidada imagina com um estranho...uiui..

Esse dias estava indo pegar Manu na minha mãe e entrou uma mulher no ônibus..misericórdia, uma cara..dizem que quem vê cara não vê coração..mas a cara dela assusta qualquer adulto imagine uma criança...cara de bicho..com um uniforme lindo coloridinho de cemei..mas com cara de carcereira de prisão..na hora pensei que ainda bem temos a vovó...hehehe

Bjs flores...